As mudanças para a quinta edição da Maratona de Lisboa

Carlos Móia explica a mudança do percurso e da chegada do Parque das Nações para o Terreiro do Paço

A Rock’n’Roll EDP Maratona de Lisboa é a mais recente aposta do Maratona Clube de Portugal, associação desportiva que marca o panorama desportivo nacional desde o final dos anos 80, primeiro como clube de alta competição, depois também como promotor de organizações de nível internacional e também como catalisador das mudanças de hábitos que se verificaram na sociedade portuguesa, principalmente na área da Grande Lisboa – e que depois foram replicadas em diversos pontos do país.
Organizada em simultâneo com a Rock’n’Roll Meia Maratona Santander Totta RTP, a prova na distância mítica da modalidade, que decorrer numa paisagem singular, entre Cascais e Lisboa, atingiu forte projeção internacional nas anteriores quatro edições e tem neste ano de 2017 um significativo ponto de viragem. Por isso conversámos com o líder do projeto, o Comendador Carlos Móia.
Como reage a estrutura da organização aos elogios produzidos pelos media internacionais à Rock’n’Roll EDP Maratona de Lisboa?
– Com grande orgulho pelo trabalho já feito, com a humildade necessária para procurar nunca fugir do rumo traçado na senda do sucesso, com a preocupação necessária para melhorarmos sempre. Senão vejamos, a Maratona de Lisboa foi referenciada recentemente pela Forbes como uma das 12 melhores da Europa. Também o American Express colocou a corrida nas listas das 19 Maratonas do Mundo de «cortar a respiração». Já o jornal canadiano Huffpost, menos conhecido em Portugal, mas com milhões de leitores, incluiu Lisboa nas 6 melhores cidades para conciliar visita e corrida. No entanto, o número atual de inscritos não nos deixa sossegados. Com estes elogios e com o esforço de divulgação que temos feito nas grandes maratonas, nas redes sociais e noutras ações, deveríamos estar na ordem dos 10 mil atletas na prova. O que nos dá algum alento é o facto de contarmos já com mais de 50 por cento de concorrentes estrangeiros.
E o que pensa fazer a organização para aumentar as participações?
– Para já estamos a analisar o que foi feito e o retorno que temos tido. Só com os números finais podemos elaborar um plano de ação, contudo não temos dúvidas nenhumas que o esforço tem de ser feito com base na divulgação e comunicação.
A par das preocupações com a massificação existe também a atenção à participação da elite. A prova atingiu desde logo a etiqueta de ouro (Gold Label Road Race) da Federação Internacional (IAAF) e tem vindo a atrair cada vez melhores atletas. Até que ponto é importante manter a atenção nesta vertente?
– É de máxima importância continuarmos a dotar a prova com atletas de grande nível internacional, porque é pelos resultados acima da média que conseguimos elevar a nossa organização aos patamares exigidos pelo facto de sermos Gold Label da IAAF. Também é pela sua participação que os media internacionais dão importância aos nossos eventos, dando-lhes o eco que nenhuma outra prova portuguesa consegue alcançar neste momento.

As mudanças de 2017

Apesar do sucesso que já se referiu, a edição de 2017 tem mudanças significativas. O que esteve na origem destas alterações?
– Esta alteração de percurso, como consequência de termos um novo local para o final da corrida, deve-se a dois fatores: o primeiro é o cansaço que notávamos existir entre os corredores em relação ao percurso, que tinha zonas sem público e que provocavam muito tédio. O segundo motivo prende-se com o facto de querermos que a Maratona seja mais rápida para todos. Na anterior chegada, no Parque das Nações, chegava um momento em que o percurso afunilava, atrasando os corredores.
Por isso, recebendo todo o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, especialmente do seu presidente, Fernando Medina, que foi um dos responsáveis pela ideia, decidimos mudar a chegada da prova para o centro da cidade, que é o que acontece, por exemplo, em Paris, Londres ou Nova Iorque. Agora vamos para um dos “postais” da cidade, atravessando o Arco da Rua Augusta e temos o rio como paisagem de fundo para os corredores.
Esta mudança tem a ver com o novo paradigma de Lisboa ser um destino quase obrigatório do turismo mundial?
– Sim, porque não? Repare-se que o Maratona Clube de Portugal, através das suas organizações, é responsável pela presença de mais de 20 mil estrangeiros em Lisboa, pois os corredores não vêm sozinhos, aproveitam para trazer a família ou amigos. Aliás, em estudos de impacto económico que a Câmara Municipal de Lisboa já realizou, apenas uma competição mundial de vela ultrapassou os nossos números, com o que isso trouxe de bom para a hotelaria e restauração. Foi também a pensar neles que produzimos estas alterações, já que aqui no centro de Lisboa, e particularmente no Terreiro do Paço e suas zonas limítrofes, temos interfaces de transporte público como autocarros, metro, comboio e barco, o que facilitará a vida e deslocações a milhares de pessoas.
O Comendador Carlos Móia já correu em várias maratonas no Mundo e nessa ótica de corredor o que destaca nesta prova?
– O que é difícil é não destacar algo! A partida é dada numa das cidades mais bonitas e icónicas de Portugal, Cascais, e a prova desenrola-se depois na magnífica estrada do Guincho, também já com fama mundial, por força de importantes realizações desportivas que ali se desenrolam. Depois, voltando a Cascais estamos em direção à Avenida Marginal, de cuja grandiosidade já falámos, devido às referências na Forbes e na American Express, atravessando Oeiras e chegando a Lisboa, onde passaremos por todos os grandes monumentos dos Descobrimentos, seguindo em direção ao coração da cidade, contornando os Restauradores e fazendo a viragem na Avenida da Liberdade, percorrendo o Rossio para corrermos a Rua Augusta e atravessarmos o seu icónico Arco para terminarmos no Terreiro do Paço. São tantos os pontos importantes a reter na imagem, alguns deles com a presença de bandas de música para elevar o nosso estado de ânimo. Há, finalmente, uma palavra a dizer aos corredores: desfrutem de um dos melhores percursos do planeta para correr uma maratona, atravessando ainda pedaços de história deste país que soube dar novos rumos ao Mundo.

 

 

1.774 Comments

  1. Hi I am so delighted I found your blog, I really found you by
    mistake, while I was searching on Aol for something else, Anyhow I am here now and would just like to say many thanks for a remarkable post and
    a all round interesting blog (I also love the theme/design), I don’t have time to read
    it all at the moment but I have bookmarked it and also added in your RSS feeds, so when I have time I will be
    back to read much more, Please do keep up the great jo.

  2. wh0cd25280 [url=http://buyrobaxin.doctor/]buy robaxin online[/url] [url=http://ordercialis.doctor/]cialis for daily use[/url] [url=http://fluoxetine.doctor/]fluoxetine drug[/url]

  3. I loved as much as you will receive carried
    out right here. The sketch is attractive, your authored material stylish.
    nonetheless, you command get bought an impatience over that you
    wish be delivering the following. unwell
    unquestionably come more formerly again since exactly the same nearly a lot often inside case you shield this increase.