Portugal com seis equipas nos Europeus de Crosse

Inês Monteiro, a caminho da vitória em Torres Vedras

Este fim-de-semana realiza-se o Campeonato da Europa de Corta-Mato em Samorim, na Eslováquia. Portugal não parte com grandes aspirações para esta competição, especialmente no que toca à participação colectiva, como afirma o técnico nacional, António Graça, «principalmente em femininos, onde não estarão algumas das nossas compatriotas que pertencem ao topo europeu».
Sendo verdade que as expectativas colectivas têm de ser moderadas, em termos individuais podem estar só um pequeno nível mais acima, «como em sub 23, com o André Pereira, que tem estado muito bem», sem descurar as provas que Rui Pinto, Samuel Barata e Inês Monteiro podem fazer.
Aliás, Inês Monteiro é a atleta com maior palmarés entre os presentes. A sportinguista estreou-se há 20 anos, no Europeu que Portugal realizou no Jamor, cortando a meta em 25º lugar. Ainda era juvenil e viu a compatriota Mónica Rosa conquistar a medalha de prata! Nos anos seguintes, Inês igualou a atleta de Mafra (prata em 98) e acabou por superá-la (ouro em 99)!
Este ano, Inês Monteiro fará a sua 14ª internacionalização nesta competição e na Europa apenas é superada pela irlandesa Fionualla McCormack, que fará agora a sua 15ª internacionalização…
Inês Monteiro, uma mãe beirã que trabalha como professora nas piscinas da Guarda, tem 11 medalhas nesta competição: duas medalhas individuais (ouro e prata) e uma colectiva (prata) em júnior; uma medalha individual (bronze) e sete colectivas (4 de ouro, uma de prata, 2 de bronze). Disposta a lutar «quero melhorar o 21º lugar do ano passado», refere que a luta agora é desigual com a presença de «muitas atletas africanas naturalizadas em vários países. Não são só as nascidas na Europa…».
Entre os 25 atletas seleccionados, há um outro com classificações honrosas enquanto júnior: Rui Pinto foi 3º em 2010 e 6º em 2009 e 2011. Depois disso não esteve tão bem no escalão sub23 (33º em 2012 e 28º em 2013), referindo que «tomei consciência de que os anos como sub23 teriam de ser encarados como construção de uma base de trabalho para poder fazer mais como sénior», e fará agora a sua estreia enquanto sénior.
Apresentando equipas nas seis provas, o que já não acontecia desde 2012, embora apenas com o limite para pontuar (a excepção é a equipa de seniores que tem cinco elementos), há que notar que 10 atletas farão a estreia em Europeus de corta-mato.
O clube mais representado na prova é o Sporting, com 9 atletas (sete no sector feminino).

Uma curiosidade muito especial: o líder da comitiva portuguesa, José Regalo, competiu três vezes enquanto atleta nesta competição, e um dos técnicos, Luís Pinto, também. Estão ainda na comitiva (que parte amanhã), António Graça, técnico nacional, João Gomes e Pedro Rocha, técnicos, e o massagista António Vieira.

Apresentamos um quadro dos atletas e as suas anteriores prestações (com nome e clube que representam, as internacionalizações nesta competição, as medalhas individuais conquistadas, as medalhas colectivas, a melhor prestação enquanto júnior, a melhor prestação enquanto sub23, a melhor prestação enquanto sénior):