50 km marcha femininos admitidos em nos Europeus de Berlim 2018

Estádio de Berlim (foto AEA)

A luta das marchadoras europeias para a inclusão da nova prova de 50 km marcha no programa dos Europeus de Berlim 2018 teve um desfecho favorável.

A confirmação chegou no dia de hoje, em comunicado oficial da Associação Europeia, dando conta desse facto e ainda divulgando os diferentes mínimos de acesso aos Europeus de Berlim 2018, que marcam uma nova era na organização do desporto Europeu.

De facto, estes Europeu de Berlim 2018, que ser realizarão entre 6 e 12 de agosto, estão integrados num conjunto alargado de outros campeonatos, que se realizam entre 2 e 12 de agosto, e que integram, para além do atletismo, os europeus de natação, remo, golfe, ciclismo, ginástica e triatlo, que se realizarão em Glasgow.

Na prova de 50 km marcha, cuja estreia em grandes competições ocorreu este ano, nos Mundiais de Londres, onde a portuguesa Inês Henriques conquistou o título mundial, batendo o recorde mundial, que até já lhe pertencia, os mínimos de participação estão colocados em 4h50m (ou 1h39m aos 20 km marcha). Uma obrigação no decorrer da prova (que se realizará conjuntamente com os 50 km masculinos): as atletas deverão concluir a distância em menos de cinco horas, quem não tiver terminado será forçado a abandonar.

Patrícia Mamona com “wild card” e Sara Moreira elegível

Mas estes Europeus de Berlim 2018 trazem outras alterações, sendo a mais significativa a que diz respeito ao convite endereçado aos campeões em título, que poderão participar sem mínimo e sem impedir a participação de outros três atletas do seu país.

Está neste caso a portuguesa Patrícia Mamona, que em Amesterdão 2016 conquistou o título do Velho Continente na prova de triplo-salto.

Entretanto, noutra das inovações no sistema de elegibilidade de participação, os três primeiros classificados das duas edições (2017 e 2018) da Taça da Europa de 10.000m antes dos Europeus de Berlim 2018 serão automaticamente elegíveis para competir na competição, mesmo que não tenham alcançado os mínimos.

Outra possibilidade: os primeiros três classificados (se forem europeus) em cada prova dos meetings do “European Athletics Premium”, o primeiro nível de meetings europeus, e o vencedor em cada prova no “European Athletics Classic”, um segundo nível de meetings), também serão considerados elegíveis. Estes meetings são os que se realizaram ou realizarão, no período entre 1 de janeiro de 2017 e 30 de julho de 2018.

Contudo, todos estes atletas estão dependentes da quota (três atletas por país), que a respectiva federação nacional possa impor.

Para completar os números de participação previstos pela organização, e caso não se consigam atingir por via dos mínimos, poderão ser convidados outros atletas consoante as suas posições nos rankings europeus.

Fora disto, haverá ainda a possibilidade de cada país participar na classificação colectiva na Taça da Europa de Maratona, podendo inscrever entre 3 (mínimo para pontuar) e 6 atletas por equipa.

 

Mas de três dezenas de atletas com mínimos

É de esperar que a FPA opte por outra tabela de marcas de qualificação, dificultando algumas provas.

Contudo, com base nestas indicações, podemos ver que existem mais de três dezenas de portugueses que já ultrapassaram em 2017 os mínimos para competirem nos Europeus de Berlim 2018. Para além da convidada campeã europeia, Patrícia Mamona, e da vencedora da Taça da Europa de 10.000 m de 2017, Sara Moreira (que já tem também mínimos internacionais nos 5000 m), estão nestas condições:

Em masculinos – David Lima (SLB), Diogo Antunes (SLB), nos 100 m; Vítor Ricardo Santos (SLB), nos 400m; Emanuel Rolim (SLB), nos 1500 m; Samuel Barata (SLB), nos 10.000 m; Luís Miguel Borges (SLB), nos obstáculos; Rasul Dabo (SCP), nos 110 m barreiras; Diogo Ferreira (SLB), na vara; Marcos Chuva (SLB), no comprimento; Nelson Évora (SCP), no triplo; Tsanko Arnaudov e Francisco Belo (ambos SLB), no peso; João Vieira (SCP), nos 20 e 50 km marcha; Miguel Carvalho (SLB), nos 20 km marcha; e Pedro Isidro (SLB), nos 50 km marcha.

Em femininos – Lorène Bazolo (SCP), nos 100 e 200 m; Cátia Azevedo (SCP), nos 400 m; Marta Pen (SLB), nos 1.500 m; Salomé Rocha, Catarina Ribeiro e Inês Monteiro (todas SCP), nos 10.000m; Vera Barbosa (SCP), nos 400 m barreiras; Susana Costa (AFR), no triplo; Irina Rodrigues (SCP) e Liliana Cá (ADNL), no disco; Lecabela Quaresma (JV), no heptatlo; Inês Henriques (CNRM), nos 20 km e nos 50 km marcha; Ana Cabecinha (COP) e Mara Ribeiro (SLB), nos 20 km marcha.