Sporting venceu nacional de estrada

O pódio masculino: Samuel Barata (1º), Rui Pedro Silva (2º), Rui Pinto (3º)

O Sporting venceu o Campeonato Nacional de Estrada. Quase sem oposição em femininos, mas com muito mais luta em masculinos. Benfica pentacampeão em juniores.

Foi emocionante a luta na prova principal masculina, com o Benfica a defender o título conquistado no ano passado, o quinto consecutivo, e o Sporting a tentar repetir o feito apenas conseguido na edição inaugural, há 28 anos!

Com Rui Pedro Silva a marcar o ritmo, lutando com os dois melhores benfiquistas, Rui Pinto e Samuel Barata, o Sporting jogou na segunda linha, muito junta, para tentar conseguir o seu segundo título da história. E, de facto, com Bruno Albuquerque, Licínio Pimentel e Alberto Paulo a fecharem a equipa antes do terceiro atleta do Benfica, André Pereira, tudo ficou decidido, já que Hermano Ferreira, o quarto benfiquista ficou muito longe.

Cá na frente, a 500 metros da meta, Rui Pedro Silva atacou e apenas Samuel Barata respondeu, conseguindo depois isolar-se para obter o seu primeiro triunfo nacional em estrada, isto na sua quinta presença na competição, tendo sido terceiro no ano passado.

Cá para trás, a luta entre o Maia, com grande historial de subidas ao pódio, e o Sporting de Braga, bem reforçado, foi favorável aos minhotos, que teve em Jorge Santa Cruz (13º) o seu melhor elemento.

Leoas quase sem oposição

Pódio feminino: Inês Monteiro (1ª), Sara Moreira (2ª) e Cátia Santos (3ª)

Em femininos, o Nacional de Estrada ficou marcado de início pela fuga de Sara Moreira e Inês Monteiro, com esta última a destacar-se nos quilómetros finais, para terminar, bem isolada, na meta, que 16 anos depois de ter vencido pela primeira vez, consegue o seu quinto título nacional!

Já Sara Moreira foi segunda e Cátia Santos, do Estreito, que soltava lágrimas de felicidade pelo seu resultado, foi terceira.

Susana Godinho, do Sporting, foi quarta, à frente da atleta do Linda-a-Pastora, Susana Cunha. Chegariam depois três atletas do Recreio de Águeda que ditariam o segundo lugar colectivo da equipa, atrás do Sporting, e à frente da formação do Grecas.

Outros escalões

Para além do nacional absoluto, estavam em disputa outros campeonatos, de diversos escalões etários. Em sub23 sagraram-se campeões, Manuela Martins, do Maratona (foi 17ª da geral), na prova feminina, enquanto na masculina, o melhor foi Cristiano Pereira, do Mangualde (22º classificado!).

Em juniores, o Benfica sagrou-se campeão colectivo masculino pela quinta vez consecutiva (tantas quanto a existência do campeonato), enquanto em femininos, o campeão colectivo foi o NucleOeiras, a única equipa que tinha quatro atletas na competição! Os vencedores individuais foram Alexandre Figueiredo (SL Benfica) e Sara Monteiro (NucleOeiras).

Houve ainda desporto adaptado (apenas ausentes as cadeiras de rodas) e campeonato de veteranos. Na Correr com os Campeões, prova popular, venceram José Gaspar e Carla Ribeiro.

 

 

Resultados completos no site da FPA.

O que eles disseram:

Nogueira Costa (Sporting), coordenador de meio-fundo
«A forte entreajuda da equipa, no sentido de chegarmos ao título coletivo masculino, foi o mais importante. Sabíamos que tínhamos o Rui Pedro Silva em boa condição e que poderia lutar com os melhores benfiquistas, jogando tudo na nossa segunda linha para triunfar. Em femininos, a estratégia era “soltar” a Sara Moreira e a Inês Monteiro para a luta individual e controlarmos o esforço para a luta coletiva.»

Fernando Tavares (Benfica), vice-presidente das modalidades
«Este resultado é o custo da aposta que fizemos no início da época em termos um Benfica focado no projeto olímpico e nas provas de pista. Estivemos aqui com intenção de vencer, mas o nosso objetivo não é vencer este campeonato. E há que enaltecer o triunfo dos juniores masculinos, que estiveram aqui numa perspetiva de preparação para esta época.»

Samuel Barata (Benfica), campeão nacional
«Não há palavras! Estou muito satisfeito. Era uma prova que eu acompanhava desde pequeno, que via só os grandes atletas a vencer e agora também sou eu! Foi uma prova muito dura, com ritmos muito fortes e com muito vento, mas na parte final eu tinha a certeza de que quem tivesse mais cabeça venceria a competição. Tenho que agradecer ao meu grupo de treino que me apoiou muito.»

Rui Pedro Silva (Sporting), vice-campeão nacional
«Vinha com o objectivo de ganhar! Felizmente não tenho tido lesões e isso permite-me treinar melhor, sem interrupções. Estou satisfeito porque fiz tudo para poder triunfar. Sabia que tinha de estar sempre na frente para poder subir ao pódio e fui até aos limites do meu corpo.»

Rui Pinto (Benfica), terceiro classificado
«Individualmente estou contente, pois o meu objectivo é estar sempre na luta pelo triunfo. Hoje não senti as melhores sensações e sabia que vencer eu ou o Samuel seria o mesmo para o Benfica. Só estou triste porque não conseguimos revalidar o título.»

Inês Monteiro (Sporting), campeã nacional
«Não conhecia o percurso e tinham-me dito que era uma espécie de montanha russa. Entrei com cautela, ao contrário da Sara, consegui recuperar e como estava muito vento fui aguentando ali até à parte final, quando me senti melhor e vi que podia vencer. Estou muito satisfeita porque tem sido difícil treinar na Guarda e isto vem dar-me ânimo para continuar.»

Sara Moreira (Sporting), vice-campeã nacional
«Estou muito feliz por ter corrido aqui hoje. Estou a sentir-me bem e queria muito correr aqui. Preciso disto, de mais ritmo competitivo, pois não compito desde o Grande Prémio de Natal, por opção própria. O objectivo é a Taça dos Clubes Campeões Europeus de Crosse. A prova não é fácil e a Inês foi uma justa vencedora. Mas, repito, foi ótimo estar aqui. Há um ano estava a ver este campeonato pela TV sem saber quando voltaria a correr!»