Jogos da Comunidade Britânica com Usain Bolt a entregar medalhas

A australiana Mitchell com recorde da Oceania no dardo

Desde domingo passado que Gold Coast, na Austrália, recebe a organização dos Jogos da Comunidade Britânica, onde o atletismo tem parte e com resultados bem destacados.

Nesses resultados já foram alcançados nove recordes da competição, a que se juntam um recorde continental e 20 recordes nacionais!

Se alguém duvidava, aí está a força da Comunidade Britânica e no interesse que algumas das grandes figuras colocam na prova. Aliás, o próprio Usain Bolt está na Austrália, como convidado da organização, e até participou com a entrega das medalhas dos 200 metros.

Bolt “não vê” jamaicanos!

Foi, aliás, numa destas provas, de 200 metros, que a atleta das Bahamas, Shaunae Miller-Uibo bateu o recorde da competição, ao vencer em 22,09 segundos, derrotando a jamaicana Shericka Jackson (22,18), a quem nem valeu o seu recorde pessoal. Pior ficou Elaine Thompson, quarta classificada (22,30), atrás da inglesa Dina Asher-Smith (22,29).

Pior presença da Jamaica só na prova masculina, sem nenhum jamaicano a atingir o pódio, que ficou entregue a Jereem Richards (T. Tobago), com 20,12, à frente do canadiano Aaron Brown (20,34) e do norte-irlandês Leon Reid (20.55).

Luvo Manyonga continua em alta

Voltando aos recordes da competição, houve dois no salto em comprimento masculino. Primeiro na qualificação, pelo australiano Henry Frayne (8.34), depois na final, pelo vencedor, o sul-africano Luvo Manyonga (8.41).

Na qualificação do peso, o neo-zelandês Thomas Walsh conseguiu 22,45 metros (mas na final lançou menos um metro – 21,41, com o nigeriano Chukwuebuka Enekwechi a ficar no segundo lugar com 21,14, recorde pessoal), e na final do martelo, o inglês Nick Miller fez 80,26 metros.

Marcha atlética também com recorde

O último recorde da competição (que por acaso foi na primeira prova do programa) foi obtido nos 20 km marcha, pelo australiano Dane Bird-Smith (1:19:34).

Nas provas femininas caíram três recordes da competição até agora: na final dos 1500 metros, pela sul-africana Caster Semenya (4:00.71), na final do disco, pela australiana Dani Stevens (68.26), e na final do dardo, pela também australiana Kathryn Mitchell (68.92), sendo este recorde da Oceania e da Austrália, claro.

Austrália domina nas medalhas

Em termos de medalhas, a Austrália vai dominando com um total de 27 (10 de ouro, 10 de prata e sete de bronze), à frente da Jamaica, com 14 (4-5-5) e da África do Sul, com 12 (4-3-5).

O Quénia, que habitualmente tem várias medalhas na competição, só tem um total de sete (apenas uma de ouro)!
Refira-se que os países do Reino Unido estão a competir separados, tendo a Inglaterra 7 medalhas, o País de Gales tem 5, a Escócia tem 3 e a Irlanda do Norte tem uma.