Chinesa bate recorde mundial de Inês Henriques nos 50 km

Inês Henriques em Taicang (foto IAAF)

Não foi um bom dia para Portugal, ao contrário do que se esperava, no Campeonato do Mundo de Selecções de Marcha Atlética, que se está a desenrolar em Taicang, na China, país anfitrião que viu o domínio dos seus marchadores concretizar-se com três triunfos colectivos (20 e 50 km femininos, 10 km juniores masculinos).

Na primeira prova do programa, os 50 km marcha, a portuguesa Inês Henriques, campeã mundial da distância, viu-se forçada a desistir perto dos 29 km, quando até alguns quilómetros antes se mantivera no grupo da frente, onde estavam as favoritas ao triunfo na primeira edição da distância na Taça do Mundo.

Triste pela desistência, “para mais numa prova de selecção, o que só aconteceu hoje”, a ribatejana viu depois a forma como a chinesa Rui Liang (de 23 anos) marchou para o triunfo com um novo recorde mundial na distância (4:04.36), melhorando em um minuto e 20 segundos o anterior máximo (4:05.56), que pertencia a Inês Henriques, estabelecido no ano passado com o título mundial em Londres.

Era uma das atletas que tínhamos no “radar de perigo” para o recorde da atleta de Rio Maior, apesar de nunca ter corrida anteriormente os 50 km, atendendo aos resultados obtidos na presente temporada, especialmente o seu recorde pessoal nos 35 km (2:49.23). Na segunda posição ficou outra chinesa, a vice-campeã mundial Hang Yin, mais lenta do que marchara em Londres, e o pódio ficou completo com a australiana Claire Tallent.

Esta foi uma prova com vários recordes continentais e nacionais e melhores marcas de sempre para várias atletas, sendo a primeira vez que 32 mulheres alinharam à partida de uma prova de 50 km, tendo um sido desclassificada e duas (entre as quais Inês Henriques) desistiram.

50 km (fem.): 1. Rui LIANG (CHN) 4:04:36 (recorde do Mundo); 2. Hang YIN (CHN) 4:09:09; 3. Claire TALLENT (AUS) 4:09:33 (rec. pessoal). Por equipas: 1. China, 8 pontos; 2. Equador, 21; 3. Ucrânia, 40.

Também não foi dia de Ana Cabecinha

Apesar de ter partido para a China com espírito de conquista, atendendo a outras boas prestações anteriores no Oriente, a portuguesa Ana Cabecinha, desta vez, deu-se mal e, pela primeira vez nos últimos 11 anos fica fora de uma posição de finalista (8 primeiras) ou de semi-finalista (16) em grandes competições.

A meio da prova já Ana Cabecinha não conseguia aguentar o ritmo da frente (passou com desvantagem de 7 segundos aos 10 km) e nunca mais viria a recuperar, terminando na 18ª posição (só na estreia, em 2004, ficou pior classificada).

Quanto às outras portuguesas, Edna Barros terminou em 45º lugar, com um recorde pessoal, e Mara Ribeiro, muito longe do seu melhor, foi 72ª. Com isto Portugal foi apenas 10º classificado por equipas, com o triunfo a pertencer à China.

Individualmente, o pódio de 2018 por pouco não foi o mesmo de 2016, já que a mexicana Maria Guadalupe Gonzalez foi a vencedora, com a sua melhor marca, repetindo o triunfo de há dois anos em Roma, e o mesmo aconteceu com a segunda classificada, a chinesa Shijie Qieyang (vencedora do Grande Prémio de Rio Maior este ano). Desta vez, a terceira classificada foi a chinesa Jiayu Yang, enquanto a terceira de há dois anos em Roma, a brasileira Erica de Sena, foi agora quarta!

Partida dos 20 km (foto IAAF)

20 km (fem): 1. Maria Guadalupe GONZÁLEZ (MEX) 1:26.38; 2. Shijie QIEYANG (CHN) 1:27:06; 3. Jiayu YANG (CHN) 1:27:22; …; 18. Ana CABECINHA (POR) 1:30.39; 45. Edna BARROS (POR) 1:35.03 (rec. pessoal); 72. Mara RIBEIRO (POR) 1:42.18. Por equipas: 1. China, 17 pontos; 2. Itália, 38; 3. Espanha, 40; … ; 10. Portugal, 135.

Pedro Isidro desistiu nos 50 km

Outro português presente na competição de 50 km, Pedro Isidro acabou por ter um final semelhante ao da sua compatriota, resistindo um pouco mais, parra desistir depois dos 30 km, numa prova que conheceu uma final inéditos com a subida ao pódio de três atletas japoneses!

O vencedor foi Hiroki Arai, que andou sempre na frente com Satoshi Maruo, que depois acabou por perder com o seu compatriota Katsuki, vindo de trás.

Assim, o Japão venceu a competição colectiva, o que nunca tinha sucedido na história da prova. Aliás, o Japão só tinha conseguido anteriormente duas medalhas de bronze em 20 km.

50 km (mas): 1. Hirooki ARAI (JAP) 3:44:25; 2. Hayato KATSUKI (JPN) 3:44:31 (rec. Pessoal); 3. Satoshi MARUO (JAP) 3:44:52. Por equipas: 1. Japão, 6 pontos; 2. Ucrânia, 29; 3. Polónia, 37

Paulo Martins na segunda metade da tabela

Na prova de 10 km marcha, o português Paulo Martins terminou em 37º lugar, com a marca de 44.59 minutos, perto do seu recorde pessoal (44.45), conseguido em Rio Maior, no mês passado.

A prova, já no período da tarde em Taicang, foi dominada pelos atletas chineses, com ambos a baterem os seus recordes pessoais, sendo que Yao Zhang conseguiu mesmo a melhor marca mundial júnior do ano.

10 km (junior): 1. Yao ZHANG (CHN) 40:07 (melhor marca mundial de juniores); 2. Zhaozhao WANG (CHN) 40:12 (rec. pessoal); 3. José Eduardo ORTIZ (GUA) 40:17 (rec. nacional júnior);…; 37. Paulo Martins (POR) 44.59. Por equipas: 1. China, 3 pontos; 2. Japão,14; 3. Austrália, 24.

Resultados completos na página da competição.