Almir dos Santos supera triplistas portugueses no Meeting de Guadalupe

Will Clay e Almir dos Santos (arquivo)

O Meeting de Guadalupe, em Baie-Mahault, recebia a presença dos portugueses Nelson Évora e Pedro Pablo Pichardo, com este a levar na bagagem a melhor marca mundial do ano, mas o concurso estava recheado de gente de grande valia e o resultado final trouxe alguma surpresa.

Com efeito, depois de se ter evidenciado em pista coberta, e depois subindo ao pódio no mundial de pista coberta, o brasileiro Almir dos Santos voltou a “voar baixinho” e saltou 17,53 metros (v: 0,3), ascendendo a terceiro melhor brasileiro de sempre, atrás de Jadel Gregório (17,90) e João Carlos Oliveira (17,89, em altitude). Ainda há dois anos o brasileiro não chegava aos 16 metros!

Pichardo em terceiro, Nelson oitavo

Com esta marca, Almir dos Santos derrotou Will Claye (campeão mundial em pista coberta), dos Estados Unidos, que fez 17,40 (e uma segunda marca na mesma distância), o mesmo que o benfiquista Pedro Pablo Pichardo (que teve um segundo melhor salto de 17,13).

Depois, Omar Cradock (EUA) fez 17,11, Alexis Copello (AZE), fez 16,88, Donald Scott (EUA) fez 16,83, e Cristian Napoles (CUB) saltou 16,71.

O sportinguista Nelson Évora, foi oitavo com a marca de 16,62 metros. Todos os saltos com vento regulamentar.

Recorde dos EUA no triplo feminino

O meeting de Gudalupe foi marcado pela presença de Allyson Felix (EUA), que acabou por vencer os 100 metros, em 11,30 segundos, à frente de Michelle Lee Ahye (11,35), mas foi a sua compatriota Tori Franklin a surpreender, com um recorde dos Estados Unidos no triplo-salto (14,84), superando os 14,71 de Keturah Orji obtidos em 2016. A espanhola Ana Peleteiro aproveitou para fazer um recorde pessoal (14,42, tinha 14,40 em pista coberta), e a cubana Liadgamis Povea fez 14,00. A campeã mundial Yulimar Rojas não acertou nenhum salto.

Nas outras provas, Sharika Wimbely (EUA) venceu os 400 metros em 50,64; nos 800 metros, triunfo de Francine Nyonsaba (BDI) e, 2.01,97, à frente de Stephanie Brown (EUA), 2.02,26, e Margaret Wambui (QUE), 2.06,61; nos 100 metros barreiras, Korie Carter (EUA), 13,04, derrotou Vanessa Clerveaux (HAI), 13,10, e Raven Clay (EUA), 13,15.

Norte-americanos dominantes

Nas provas masculinas, nos 100 metros (v:-0,1), Mike Rodgers (EUA) venceu com 10,14, a mesma marca de Bryce Robinson (EUA).  

No salto em altura, Donal Thomas (BAH) foi o vencedor (2,25), com o brasileiro Federico Talles bem perto (2,22); o uruguaio Emiliano Lasa venceu o comprimento (7,62), à frente do espanhol Jean Marie Okutu (7,54); o marroquino Hicham Sigueni venceu os 3000 m (7.53,47); nos 110 m barreiras, chegada muito apertada, com Eaton Jarret (EUA) a vencer em 13,57, e Freddie Crittenden (EUA) e Shaine Brathwite (BAR) a fazerem o mesmo tempo, 13,59; e nos 400 m barreiras, TJ Holmes (EUA) venceu em 49,25, seguido de Bershawn Jackson (EUA), com 49,32. Nesta prova, Jordin Andrade (CPV) foi sexto (49,72) e o cubano Omar Cisnero foi sétimo (49,79).