Ultra Maratona Atlântica: uma experiência de aventura sem paralelo

Custodio Antonio - Paulo Guerra - Carina Batista - Isabel Fontinhas - Mário Machado - conferência de imprensa UMA 2018 - foto de Paulo Lopes - Ganhardestak.pt

Foi hoje apresentada à comunicação social, a edição de 2018, que será no dia 1 de Julho de 2018, da Ultra Maratona Atlântica – Melides / Tróia. Em Lisboa, no espaço Atmosfera M, cedido pelo Montepio, um dos principais patrocinadores da prova, que esteve representado por Isabel Fontinhas, a Câmara Municipal de Grândola deu a conhecer alguns pormenores e histórias da corrida, que se iniciou em 1987, com o Raid de Grândola, e que conheceu um segundo capítulo na sua história desde 2005.

“A Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia é uma Corrida de Aventura, e acho que posso dizer, de características únicas no mundo, pelo piso, pelos seus 43 km, por uma paisagem deslumbrante da frente atlântica com a Serra da Arrábida por fundo. Esta é uma prova com um enquadramento fabuloso e que leva o ser humano ao seu limite”, disse a vereadora do desporto da Câmara Municipal de Grândola, Doutora Carina Batista.

Mário Machado e a origem do Raid Pedestre de Grândola

Numa apresentação de partilhas, foi recordada a génese do Raid de Grândola, cuja primeira edição foi em 1987. Baseada na experiência da Maratona das Areias, em Marrocos, a autarquia queria aproveitar a maior extensão de areia da Península Ibérica queria aproveitar para lançar uma experiência semelhante e um dos primeiros participantes foi o professor Mário Machado, que foi contando as suas peripécias “numa edição em que fiz lá um treino de 80 km, com a polícia a levar-me para Pinheiro da Cruz, para ter a certeza de que eu falava verdade. Constrangedor foi o facto de, depois de terem apurado o que queriam, comprovando que falei verdade, deixaram-se numa paragem ali perto e toda a gente ficou a pensar que eu era um antigo hóspede da prisão”.

Alta competição de Paulo Guerra

Já numa nova fase, a prova conheceu outros atletas e participantes e um deles foi precisamente Paulo Guerra, medalha de bronze no mundial de corta-mato e campeão europeu de corta-mato, que agora é o padrinho da prova, participando também na corrida Atlântica, a “irmã” mais nova desta aventura, e que tem apenas 15 km. “Esta é uma prova ímpar em Portugal e correr na areia era um hábito nos treinos na fase de alta competição, pelo aporte de força, porque nos crosses havia muita lama e o correr na areia ajudava bastante. Nessa minha participação nos 30 km, lembro-me que corri de meias e sapatos e parei várias vezes para sacudir essa areia e ainda fui tomar banho de mar a meio, para ainda ser quarto classificado”, disse o agora treinador nos Centros de Marcha e Corrida, que afirma que “foi uma experiência que me ficou gravada na memória”.

Custódio António: um finalista e vencedor

Com conhecimento de causa, por ter terminado a prova oito vezes e ter vencido uma, em 2009, Custódio António fala desse triunfo com a sua experiência. “Regressei de sete meses em altitude, lançaram-me o desafio e consegui ir à prova e vencer. Nos anos seguintes, sempre que possível regressei, terminei oito vezes, e este ano vou tentar vencer a corrida. É uma prova dura, que puxa muito de nós, e que apela a um grande sacrifício”, concluiu.

Preocupações ambientais

Paulo Guerra, Carina Batista, Isabel Fontinhas

No Dia Mundial do Ambiente, convinha referir que “esta competição sempre teve essa preocupação e por isso colocou a questão no regulamento da prova, chamando a atenção de todos os concorrentes”, como disse Carina Batista, no desenvolvimento da conversa com os jornalistas, dando-se também a conhecer que alguns dos vencedores dos últimos anos já confirmaram a sua inscrição, com um total de 420 inscritos na Ultra Maratona, e também na Corrida Atlântica, que se destina “a todos os que queira desfrutar da paisagem, da alegria de correr em areia e descobrir novas sensações cada vez que passa pelas zonas balneares, e que ainda não tem treinos suficientes para a aventura dos 43 km, “que deve ser feita com preparação adequada, com calçado confortável e com algumas preocupações, como tentar impedir a areia de entrar nos sapatos, hidratar-se convenientemente, e ter cuidado de utilizar protetor solar”, aconselha Paulo Guerra.

Recordar Analice Silva

Houve ainda oportunidade para recordar a corredora habitual na prova, Analice Silva, que realizou 4 das 5 edições do Raid Pedestre de Grândola, entre 1988 e 1991 e foi dos atletas totalistas da Ultra Maratona Atlântica Melides – Tróia, entre 2005 e 2016. Analice Silva faleceu em Fevereiro de 2017, com idade de 72 anos, devido a um cancro no pâncreas.

No press kit que enviamos em anexo, estão mais informações úteis e todas as questões que queiram ser colocadas devem sê-lo na página oficial do evento (http://ultramelidestroia.pt/).

Ainda são aceites inscrições para a prova que, recorde-se, terá lugar no dia 1 de Julho.

Crédito das fotos: Paul Lopes / Ganhardestak.pt
Comunicação de Ganhardestak.pt