Mais três medalhas no Campeonato do Mediterrâneo de Sub23

Evelise Veiga (arquivo)

Já terminaram, para os portugueses, os Campeonatos do Mediterrâneo Sub23 e no segundo dia conquistaram-se mas três medalhas, igualando-se o pecúlio da primeira edição em que Portugal participou (2014), então com seis medalhas (três de ouro e três de prata) conquistadas em Marselha, dando a sensação que a segunda presença, em Tunes, apenas com uma medalha, de ouro, foi excepção. Agora, Portugal regressou com uma medalha de ouro, duas de prata e três de bronze.

A grande figura da selecção acaba por ser Evelise Veiga. A atleta do Sporting, depois de ter ganho a medalha de ouro no comprimento, sendo a segunda melhor de sempre, foi ao triplo bater o seu recorde pessoal, conseguindo saltar 13,65, ascendendo a terceira portuguesa de sempre, apenas superada pelas “top” dos 14 metros, Patrícia Mamona e Susana Costa.

Hoje, Evelise, cujo salto de 13,65 foi obtido com vento +0,3, viu a espanhola Fatima Diame (13,82), desforrar-se da derrota no comprimento.

Agora… os “bronzes”

Mas antes de Evelise, já se tinha destacado Edujose Lima. O sportinguista foi terceiro no lançamento do disco, com a marca de 55,98, uma medalha de bronze para um lançador que conhecemos ainda como marchador do Centro de Atletismo das Galinheiras! Que progressão! O vencedor foi o cipriota Giorgos Koniarakis (58.56).

A terceira medalha surgiu noutro lançamento: o peso feminino, com Eliana Bandeira, do Vidigalense, a ser terceira classificada com a marca de 15,69. A vencedora foi a turca Emel Dereli, medalha de bronze nos campeonatos Europeus de 2016, com 18,12, recorde dos campeonatos.

As restantes provas

Nas restantes provas com portugueses, no triplo-salto, o sportinguista Oleksandr Lyashchenko foi sexto classificado com a marca de 15.61 (+0,3); a também sportinguista Rosalina Santos foi 6ª na final dos 200 metros (v:+1,5 m/s), cortando a meta em 24,24 segundos; e nos 3000 m obstáculos, Carla Reis, do Vidigalense, foi 11ª com a marca de 11.22,93.