Estados Unidos dominaram primeira edição da Taça do Mundo de Atletismo

Equipa dos Estados Unidos celebra o triunfo em Londres (Photo by T Marshall - British Athletics/British Athletics via Getty Images,)

Terminou ontem, com a realização da segunda jornada, a Taça do Mundo de Atletismo (ver aqui a primeira jornada), organizada em Birmingham, sob a égide da federação britânica, registando-se um domínio da formação dos Estados Unidos, que venceram a competição com um total de 219 pontos, conseguindo 11 vitórias individuais (e mais 10 segundos lugares!), e levantaram assim o imponente troféu de platina. Os Estados Unidos derrotaram a forte formação da Polónia, que somou 162 pontos, mais sete que a Grã-Bretanha, que somou 155 pontos e fechou o pódio. A Jamaica ficou a dois pontos do pódio (153) e as formações da França (146) e Alemanha (137) ficaram aquém do que podem fazer. África do Sul (135) e China (81) fecharam a classificação.

Segundo a organização, a prova conheceu um excelente nível e existem contactos para a competição conhecer outro envolvimento mediático, pois este ano resumiu-se a um stream que ainda não atingiu as dimensões que pode alcançar.

Em termos individuais, no segundo dia, o maior destaque vai para o triunfo do norte-americano Paul Dedewo nos 400 metros com um fantástico recorde pessoal de 44,48 segundos. O mesmo se pode dizer do jamaicando Tyquendo Tracey, surpreendo todos com um recorde pessoal de 10,03, para vencer a prova.

No salto com vara, Sam Kendriks (EUA) triunfou naturalmente com 5,83, e depois tentou recorde pessoal a 6,05, mas falhou por pouco. Já o sul africano Luvo Manyonga mostrou a sua forma saltando 8,51 metros no comprimento.

Nesta competição, a corrida mais longa foi a de 1.500 metros, e destaque para o triunfo do polaco Marcin Lewandowski (atleta do Benfica), com 3.52,88, numa prova muito tática.

Nas provas femininas, a jamaicana Shericka Jackson (22,35) impôs-se claramente à campeã dos Estados Unidos nos 200 metros, Jenna Prandini (22,45); grande luta no triplo-salto, com a jamaicana Shanieka Ricketts (14,61, recorde pessoal) a derrotar Ketura Orji, dos Estados Unidos, por um centímetro; nota ainda para a melhor marca da época da norte-americana Vashti Cunningan no salto em altura (1,96); e um apontamento final: numa disciplina em que os Estados Unidos têm seis das melhores especialistas do Mundo, a vencedora dos 100 m barreiras, com todo o mérito, foi a sul-africana Rikenette Steenkamp (12,88).

Vencedores do segundo dia

 

Resultados completos na página da prova.