Campeã olímpica Ruth Jebet oficialmente suspensa por doping

Ruth Jebet

A “Athletics Integrity Unit”, unidade independente que monitoriza a integridade desportiva, divulgou hoje os casos de atletas suspensos preventivamente devido a ofensas às regras do doping, estando entre eles os recordistas e campeões olímpicos, Ruth Jebet, do Bahrain, e Asbel Kiprop, do Quénia.

Foi o primeiro documento público que dá autenticidade aos rumores que há muito se ouviam, de que a recordista mundial de 3000 metros obstáculos e campeã olímpica no Rio de Janeiro 2016, Ruth Jebet, está entre os mais de 100 atletas de atletismo e treinadores que estão com processos disciplinares – e suspensos preventivamente – por delitos de doping, anunciou a Unidade de Integridade do Atletismo (UIA).

Jebet, de 21 anos, nascida no Quénia, mas que compete pelo Bahrain, que foi aclamada como “Golden Ruth” (Ruth de ouro) quando venceu a prova feminina de 3.000 m com obstáculos nos Jogos do Rio acusou EPO na análise de sangue que foi recolhida pela unidade anti-doping.

Outra queniana que também mudou de nacionalidade para o Bahrain, Violah Jepchumba, que fez a terceira meia-maratona mais rápida da história, também está lista, enfrentando uma suspensão de quatro anos.

Também está nesta lista o campeão olímpico dos 1.500 metros em Londres 2012, Asbel Kiprop. O atleta queniano, de 29 anos, que tentou justificar o seu caso com o fato de não ter percebido que os inspetores que recolheram a sua análise queriam receber dinheiro, mas nunca declarou que a sua amostra tinha sido adulterada e depois recusou apelar do resultado, por não acreditar nos decisores do caso, ligados à agência antidopagem do Quénia, enfrenta também uma suspensão de quatro anos.

E ainda, pela primeira vez nas notícias de doping, o campeão olímpico do salto em altura de 2012, o russo Ivan Ukhov, por suspeita de omitir casos de doping na comitiva da Rússia, em 2015.

Na sua página na internet, a UIA dá conta de 120 casos disciplinares, sendo 103 de atletas de elite, 13 de outros atletas, e quatro dirigentes ou treinadores, entre eles um elemento do Conselho da IAAF, o namibiano Frank Fredericks, uma das antigas glórias das pistas, suspeito em caso de corrupção para favorecimento da candidatura olímpica do Rio de Janeiro.

Segundo aquela unidade, os 120 processos disciplinares encetados envolvem 85 medalhados em Jogos Olímpicos e Campeonatos do Mundo, 44 medalhados em campeonatos continentais e 35 medalhados em Campeonatos Mundiais de pista coberta.

Entretanto, também hoje, foi noticiada a suspensão da recordista chilena do lançamento do peso, Natalia Ducó, por teste positivo a uma substância positiva. A atleta de 29 anos acusou a presença da hormona de crescimento GHRP-6, num teste antes dos Jogos Sul-Americanos realizados entre 26 de Maio e 8 de Junho deste ano, que viria a vencer a prova de lançamento do peso.