Eliud Kipchoge e Caterine Ibarguen são os atletas do ano 2018

Eliud Kipchoge e Caterine Ibarguen (foto IAAF / Philippe Fitte)

Com anúncio no decorrer da Gala Anual da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), realizada no Mónaco, foram ontem eleitos como os melhores atletas do ano 2018, o queniano Eliud Kipchoge e a colombiana Caterine Ibarguen.

Ele, recordista mundial da maratona (2:01.39), vencedor das provas de Londres e Berlim, reuniu o máximo de votos do público e da família da IAAF e tornou-se o segundo queniano a ser distinguindo com este galardão, depois de David Rudisha (2010).

Ficaram para trás, o norte-americano Christian Coleman, recordista mundial e campeão mundial de pista coberta em 60 metros, o sueco Armand Duplantis, campeão europeu absoluto e campeão mundial de juniores no salto com vara, o francês Kevin Mayer, recordista mundial de decatlo, e Abderrahman Samba, do Qatar, invencível nos 400 metros barreiras com a melhor marca desde 1992.

Celebração em grande para a melhor atleta do ano, a colombiana Caterine Ibarguen, de 34 anos, que não contente com as suas prestações no triplo salto, se virou para o comprimento, com sucesso em ambas as disciplinas, chegando ao final do ano como vencedora de comprimento e triplo da Taça Continental, da Liga Diamante e dos Campeonatos da América Central e Caraíbas. Foi a segunda vez na história dos troféus que uma atleta latino americana vence o troféu, depois da cubana Ana Fidelia Quirot o ter conquistado em 1989.

As outras nomeadas eram a britânica Dina Asher-Smith, campeã europeia de 100m, 200m e 4x100m; a queniana Beatrice Chepkoech, recordista mundial dos 3000 m obstáculos, a veclocista das Bahamas Shaunae Miller-Uibo e a belga Nafissatou Thiam, campeã europeia e líder mundial do heptatlo.

Duplantis e McLaughlin as estrelas emergentes

Como estrelas emergentes, os mais votados foram a velocista norte-americana Sydney McLaughlin, recordista mundial sub 20 de 400 m barreiras, e o saltador com vara (ausente no Mónaco), e o o sueco Armand Duplantis, recordista mundial sub20 e campeão europeu absoluto. Curiosamente, Renaud Lavillenie, o recordista mundial absoluto do salto com vara, um dos apresentadores da noite perguntou a Duplantis, até onde poderá chegar e se o recorde mundial está em segurança, ao que o jovem sueco respondeu que pensa conseguir saltar mais alto que Lavillenie.
Outros prémios: treinador – Joe Vigil, Estados Unidos; mulher do ano – Evelyn Claudio Lopez, Porto Rico; fotógrafo do ano – Felix Sanchez Arrazola; prémio Presidente – Andreas Brugger, de 91 anos, ex-diretor do Meeting de Zurique.

Vejamos os detentores dos títulos desde a sua criação (1988)