Patrícia Mamona a pensar no pódio de Glasgow

Patrícia Mamona (arquivo, foto FPA)

Patrícia Mamona começou a época com recorde pessoal no salto em comprimento e hoje, à margem da cerimónia de assinatura da FPA com a nova marca de equipamentos, que também será a sua até 2021, afirmou que já está a olhar para os Europeus de Pista Coberta, em Glasgow, no princípio do mês de março.

«Essa passagem pelo salto em comprimento foi uma ideia do meu treinador, para tentarmos ter uma corrida de balanço mais rápida para o triplo-salto. Espero, com os novos sapatos, poder voar até aos meus recordes pessoais, sendo que nos Europeus espero lutar pelas medalhas, onde gostaria no mínimo, de igualar a medalha de prata, que foi a melhor classificação que já alcancei, embora na minha mente esteja sempre presente a tentativa de alcançar o ouro. Quanto ao comprimento, foi uma experiência interessante, que me deixou vontade de voltar a realizar», disse a atleta que nesta época de pista coberta tem previstas as participações nos nacionais de clubes (cujo apuramento será já no próximo fim-de-semana, em Pombal), nos Campeonatos de Portugal, tendo já presença assegurada nos meetings da Federação Internacional, de Karlsruhe (2 fev) e Madrid (8 fev), estando ainda por confirmar presença em Dusseldorf (20 fev).

Depois da pista coberta a atleta fará uma pausa, pois esta será uma época diferente para a atleta, pois será longa, em termos competitivos, e também de mudança na marca desportiva que a suportará, mudando de uma marca norte-americana para uma marca europeia.

«Muitos dos atletas com quem me relaciono e compito têm-me dado bons indicadores da marca. Eu, há dois anos, na primeira abordagem, estava muito contente com os sapatos da marca anterior e não quis mudar. Depois, esta marca desenvolveu também calçado para o triplo, como usa o Pedro Pichardo, e isso ajudou a escolher agora e a ficar sem receio da mudança», explicou a atleta, que será também a embaixatriz da marca para a área de fitness.

«Eu sei que ainda tenho mais uns seis anos de alta competição, pois quero ir a dois Jogos Olímpicos, mas já tenho de pensar também no pós-carreira, e a área do fitness, afinal, é também aquilo que eu faço diariamente. Tenho algumas ideias, e este acordo vem permitir-me ter essa abordagem a outro nível», refere a atleta que admite que o novo acordo é muito vantajoso.