Qualquer um poderá correr no Mundial de Corta-mato 2019

Foto da organização (IAAF/Mikkeller World Cross Country Championships Aarhus 2019 - IAAF SITE VISIT 18TH SEPTEMBER 2018. PHOTO: Lone Dybdal)

Não estaremos a exagerar se afirmarmos que o sonho da esmagadora maioria dos corredores de meio-fundo e fundo de alto rendimento sonha com a presença num Mundial. Se falarmos de Campeonato Mundial de Corta-mato, já as opiniões (na última década) divergem.

Mais, nos anos 80 e 90, qualquer meio-fundista português almejava fazer parte da seleção nacional para o mundial de corta-mato. E os resultados falam por si. Desde campeões mundiais e medalhados, individual e coletivamente, o palmarés português é rico. Até há última década, em que os europeus deixaram de colocar a prova no seu calendário prioritário e o mundial até passou de anual a bianual (de dois em dois anos).

Ainda assim, muitos países e corredores conseguem manter a chama acesa e aprestam-se para conseguir um lugar nas suas seleções para estar presente na linha de partida e cumprir esta prova de excelência. Uma participação exclusiva… até 2019!

De facto, ainda não tínhamos dado conta disso, mas o Mundial de Corta-mato que se realiza em Aahrus, na Dinamarca, vai ser tudo, mas mesmo tudo, menos exclusivo!

Uma breve visita ao site da prova (ver aqui), permite esclarecer isto e colher mais informações. É que a edição de 2019 vai ser aberta!

Percurso da prova (foto organização)

Inscrições condicionadas a sorteio…

Aberta, com regras é certo, mas qualquer um poderá correr este Campeonato Mundial de Corta-mato, numa experiência chamada “The Search”. Bem, não será qualquer um, mas já lá vamos. Quem quiser correr e partir na elite mundial do corta-mato, apenas terá de se inscrever, pagar uma pré-inscrição e depois esperar pelos dois sorteios, pois cada uma das corridas principais (seniores, masculinos e femininos) apenas comportará a presença de 400 atletas.

Seja federado ou popular há uma hipótese de um corredor estar no mundial, participar e terminar junto da elite. Mas, apesar de ser aberto, não é para qualquer um! Apenas serão autorizados a participar atletas que tenham corrido no último ano (e até 17 de março) uma prova oficial de 10 km em menos de 33 minutos, no caso dos homens, e de 37 minutos, no caso das mulheres. Contudo, durante a corrida, se não respeitarem alguns parâmetros, serão convidados a abandonar.

As pré-inscrições já estão abertas, têm um preço de 40 coroas dinamarquesas (mais ou menos 5,35 euros, ao câmbio de hoje), sendo o primeiro sorteio no dia 1 de março, para 75 por cento das vagas e o segundo a 20 de março.

Quem for sortudo, está elegível para participar, sendo-lhe pedido o resto do pagamento total da taxa de inscrição, que é de 999 coroas (cerca de 133,78 euros!). Quem não tiver essa sorte, vê o dinheiro da pré-inscrição servir uma de três opções, no mesmo dia, no mesmo local, mas após o mundial.

As outras opções

As outras opções são “The Sprint”, prova de dois quilómetros (uma volta do percurso), com os limites de 1000 corredores (divididos em duas séries), sendo que os 500 primeiros a inscreverem-se pagam “apenas” 249 coroas (cerca de 33 euros) e a partir daí pagam 299 coroas (cerca de 40 euros); “The Relay”, a estafeta 4x2km, também com limite de 1000 participantes, com taxa de inscrição de cada equipa de 999 coroas (cerca de 133,78 euros); e o “The Toughest”, uma mistura de corta-mato e trail, com três distâncias – 4 km (uma volta do mundial e mais 2 km em trail), 8 km (duas voltas do mundial mais 4 km de trail) e 12 km (3 voltas do mundial e mais 6 km de trail), sendo que os corredores optam no dia da prova pela distância que sentem poder cumprir!

Note-se que neste “The Toughest”, podem participar a partir dos 8 anos de idade (sendo que até aos 12 anos podem ser acompanhados de um adulto!), com limite de participação a 3000 inscritos (haverá três partidas de 1000 concorrentes cada). Os preços de inscrição? Bem, será de 349 coroas (cerca de 47 euros) aos primeiros 500 e de 399 coroas (cerca de 53 euros) aos restantes.