Patrícia Mamona, segunda em Dusseldorf, os mínimos e os quase mínimos

Patrícia Mamona (arquivo, foto FPA)

O dia de ontem marcava o fecho do prazo para a obtenção das marcas de qualificação para os Europeus de pista coberta e houve várias provas com portugueses. Em Dusseldorf, no meeting que encerrava o Circuito Indoor da Federação Internacional, Patrícia Mamona foi segunda, com 14,22 metros, sendo a melhor atleta europeia, perdendo apenas para a venezuelana Yulimar Rojas (14,46 m), que apenas se impôs nos dois últimos saltos.

A outra portuguesa, Susana Costa, terminou em quarto lugar, com a marca de 13,95 m, superada pela finlandesa Kristina Makela (14,05 m).

Nas restantes provas, destaque para o triunfo da costa marfinense Marie Josee Ta Lou, que correu os 60 metros em 7,02 segundos, melhor marca mundial do ano e recorde do meeting.

Na prova mais aguardada, os 1500 metros, o vencedor foi o norueguês Jakob Ingebrigtsen, com recorde nacional (3.36,02), derrotando o etíope Samuel Tefera (3.36,34), que há dias batera o recorde do Mundo (3.31,04).

Rasul Dabo e Olímpia Barbosa qualificam-se para os Europeus

Nas jornadas técnicas no Jamor (Centro de Alto Rendimento), nas suas últimas oportunidades, os barreiristas Rasul Dabo e Olímpia Barbosa conseguiram a marca de qualificação para os Europeus de Pista Coberta.

Numa corrida extraordinária de grande entreajuda, Rasul Dabo correu os 60 m barreiras em 7,77 segundos, terminando em segundo lugar, atrás do brasileiro do Benfica, João Vitor Oliveira (7,71 s, recorde pessoal), com os dois atletas abraçados no final, em festejo absoluto.

Ela correu os 60 metros barreiras em 8,20 segundos (a marca de qualificação), praticamente numa corrida solitária, depois de ter corrido uma eliminatória em 8,24 (a terceira vez que conseguia esse resultado esta época).

À beira da qualificação ficaram os benfiquistas da velocidade: Diogo Antunes venceu os 60 metros em 6,73 segundos (e ficou a um centésimo da qualificação), à frente de José Lopes (6,75) e Frederico Curvelo (6,76). Na mesma distância feminina, triunfo da brasileira Tamiris de Liz (Benfica) em 7,38 segundos.

No salto em comprimento, com triunfo do espanhol Jean Mari Okutu (7,81 m), Ivo Tavares (Benfica) foi segundo (7,70 m) e o seu colega de equipa Marcos Chuva quinto classificado (7,42m).

Evelise Veiga (Sporting) voltou a saltar 6,40 metros, mas sem a qualificação (6,50), tal como no salto com vara, com Diogo Ferreira (Benfica) a saltar 5,30 metros e Marta Onofre (Sporting) a fazer 4,20.
Interessante a prova de triplo-salto, com os sportinguistas Tiago Luís Pereira (16,13 metros) e Carlos Veiga (16,07) a perseguirem sem sucesso a qualificação (16,50 m) para os Europeus.

Quase surpresa em Braga

Houve outras provas no último dia do prazo, com a de Braga a juntar alguns dos melhores atletas na prova de 800 metros, com triunfo de José Carlos Pinto, do Benfica, em 1.49,22 (a dois centésimos dos mínimos!), derrotando o campeão de Portugal Nuno Pereira, do Sporting (1.50,22) e João Fonseca, do Benfica (1.50,53).

Ainda em Braga, Carlos Nascimento (Sporting) correu em 6,82 segundos os 60 metros e Adriano Lopes (Sporting de Braga) bateu novo recorde pessoal no peso (16,08m).

Entretanto, em Pombal, também se realizaram provas, com os 800 metros a produzirem também resultado na casa do 1.49 minutos, mas os resultados não estão disponíveis!