Mínimos difíceis para os Mundiais de Pista coberta de 2020

Nelson Évora (arquivo)

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla internacional) já divulgou as marcas de qualificação para os Mundiais de Pista Coberta de 2020, que se realizam em Nanjing, na China, de 13 a 15 de março. Seis portugueses já têm essa qualificação internacional.

São seis os atletas portugueses que este ano já conseguiram resultados que satisfazem os mínimos divulgados (com prazos de obtenção que começaram em Janeiro passado e vão até março de 2020): Pedro Pichardo (17,32 metros) e Nelson Évora (17,11 m), fizeram melhor que os 16,90 m pedidos para o triplo-salto; Francisco Belo, lançou o peso a 20,97 m (o pedido é 20,95); Lorene Bazolo tem a marca pedida nos 60 metros – 7,30 segundos; Patrícia Mamona (14,44 m) e Susana Costa (14,43 m), têm melhor que os solicitados 14,30 no triplo-salto.

Estes mínimos serão o primeiro critério de acesso aos Mundiais, sendo os “rankings da IAAF” a ferramenta seguinte de apuramento, sendo que os vencedores do circuito indoor da IAAF terão direito a “wild cards”.

Na tabela divulgada, pode ver-se que os mínimos para ali participar serão de difícil acesso, especialmente para os saltos e lançamentos, que deixam de ter qualificações, para se cumprirem apenas finais diretas.

Nos saltos verticais, a quota de participação será de 12 atletas (felizmente já terão um minuto para efetuarem cada tentativa). Nos saltos horizontais e no lançamento do peso também haverá finais diretas, apenas serão admitidos aos mundiais 16 atletas, sendo que todos terão direito a três ensaios. Os oito primeiros terão direito a mais dois ensaios e, depois, os quatro primeiros terão direito a mais um ensaio.

Nas corridas, apenas os 60 metros, planos e com barreiras, e os 400 metros terão três rondas (eliminatórias, meias-finais e final), tendo todas as outras apenas meias finais e final. A exceção é a prova dos 3000 metros femininos, que terá final direta (apenas poderão participar 15 atletas!).

Deixamos aqui os mínimos internacionais e as quotas de atletas em cada prova: