Atletismo para a vida: curiosidades dos Mundiais de Veteranos em Torun

Foto facebook da competição

Terminam no próximo sábado os Mundiais de Veteranos de pista coberta, que também é de corridas em estrada e lançamentos longos. Já demos por aqui algumas notícias sobre esta competição de veteranos e hoje deixamos aqui algumas curiosidades que dão a dimensão real do seu envolvimento e da comunidade, provando que o atletismo é para a vida, salvaguardando-se os excessos, obviamente.

Neste caso, estão impedidos de participar nestes eventos 190 atletas, 6 por sanções da própria federação de veteranos, 184 pelas sanções antidoping da própria IAAF.

Mas voltemos aos Mundiais de Torun.

Participação

Segundo os dados recolhidos em fóruns e da própria organização, estão a competir em Torun 4339 atletas, sendo as mulheres responsáveis por 31% dessa participação.

Em ambos os sexos, nos números gerais, a faixa etária com maior participação é a dos 50-54 anos, com 631 participantes, logo seguida pela faixa dos 40-44 anos, com 583 participantes. Contudo, dividindo os sexos, vemos que nos homens essa faixa de 40-44 anos é apenas a quarta mais participada, sendo ultrapassada pelos 55-59 anos e 45-49 anos. Já nas mulheres, as de 40-44 anos são a segunda faixa de maior participação.

Uma curiosidade: existem dois participantes, um homem e uma mulher, com mais de 100 anos!

Polónia supera a participação

Considerando que é o país organizador, a Polónia tem 870 atletas em competição. Com cerca de metade da participação, mas aproveitando a proximidade geográfica, está a Alemanha com 475 registos, enquanto a Grã-Bretanha levou uma considerável delegação de 393 participantes.

Depois, até um total de 200, vemos a Espanha (287), Itália (230), Estados Unidos da América (219) e França (203).

Portugal, com os seus 41 participantes, é 21ª delegação mais numerosa entre 89 países!

Velocidade e estrada com maior procura

Nas 23 disciplinas que compõem estes campeonatos, registaram-se 8670 inscrições (que dá uma média de cerca de duas participações por atleta inscrito).

As provas de velocidade são as de maior procura, como se comprova pelos totais de 772 participantes nos 200 metros e 770 nos 60 metros, no total dos dois sexos e de todos os escalões.

Depois, as provas mais participadas são as de meio-fundo, com destaque para a meia maratona, com 592 participantes e os 8 km de corta-mato com 469!

Recordes mundiais

É natural e expectável que, numa reunião desta natureza, com vários dos melhores veteranos em competição direta, que se produzam vários recordes.

Ficamos por aqui apenas com os recordes mundiais (quando ainda faltam três jornadas!). Já foram batidos 21 recordes mundiais de veteranos no decurso das competições.

Estrelas

Já falámos por aqui na presença de Francis Obikwelu, campeão mundial de 60 metros, que aos 40 anos se estreou nestas competições, ele que ainda é o recordista europeu de 100 metros, que coleciona títulos europeus e mundiais e ainda tem a medalha de prata dos 100 metros nos Jogos Olímpicos de Atenas’2004.

Mas há outras estrelas a competir em Torun, e começamos com os polacos Sebastian Chmara (47 anos), campeão mundial e europeu de heptatlo, nos anos 90, Urszula Kielan (58), medalha de prata no salto em altura nos Jogos Olímpicos de Moscovo’1980, e outro saltador, Janusz Trezepizur (59), vice-campeão europeu em 1982.

Depois, continuamos com o saltador em comprimento jamaicano James Bekford (44 anos), vice-campeão olímpico em 1996 e vice-campeão mundial em 1995 e 2003!