Onde vai parar Yaroslava Mahuchikh?

(Foto World Athletics / Spikes)

Evelise Veiga começou bem a sua época internacional

Por Pedro Pires, especial para o MelhorMarca.pt

 

Já se sabe que os meetings europeus dão maior destaque aos eventos de saltos (e lançamentos, quando ao ar livre) do que as reuniões de atletismo que decorrem em terras norte-americanas. E assim era esperado do segundo meeting da World Athletics Indoor Tour, que se realizou hoje em Karlsruhe, na Alemanha. Grandes nomes marcavam presença na vara masculino e no comprimento e altura femininas e é caso para dizer que as mulheres estiveram à altura!

Ucranianas em grande forma e bom arranque de Evelise

As atletas ucranianas tiveram uma grande noite na Alemanha e a estrela da noite foi mesmo Yaroslava Mahuchikh que, aos 18 anos, não pára de bater recordes e colocar-se entre a elite do Salto em Altura. Hoje, a jovem tinha como principal adversária a sua compatriota Yuliya Levchenko, mas isso – tal como tinha acontecido nos Mundiais ao ar livre de Doha, onde foi Prata – voltou a não assustá-la. Levchenko, que até a 1.96 metros dominava o concurso sem falhas, falhou a primeira tentativa a 1.99 e, apesar de ter passado à 2ª, isso obrigava-a a fazer melhor do que Mahuchikh que passou essa altura à primeira. As duas subiram a fasquia para os 2.02 metros, no que seria um recorde pessoal em pista coberta para ambas as atletas. Levchenko falhou as três tentativas a essa altura, mas Mahuchikh passou à primeira e, com esses 2.02 metros, bateu, mais uma vez, o recorde mundial júnior em Pista Coberta. A atleta, que havia saltado 2.01 metros em Lvov no passado dia 18, sobe agora o seu recorde mundial em um centímetro, aproximando-se do recorde mundial júnior que também detém ao ar livre – 2.04 metros.

O Comprimento feminino também foi, como esperado, de nível elevado. A portuguesa Evelise Veiga teve a honra de marcar presença nesta prestigiada reunião e não desapontou. Na sua primeira competição da temporada, a jovem do Sporting saltou, ao seu 2º ensaio, a 6.38 metros, no que é o seu melhor salto de início de temporada de sempre. A atleta que já está qualificada para os Jogos Olímpicos no Triplo Salto, procura também a qualificação na sua especialidade, o Salto em Comprimento. Para já, deixou positivas sensações e – ainda que a qualificação direta (6.82) pareça difícil – poderá ter uma palavra a dizer através do ranking da World Athletics. O concurso – que tinha como favorita a alemã, campeã mundial, Malaika Mihambo – foi vencido pela ucraniana Maryna Bekh-Romanchuk, que saltou a 6.92 metros (no seu único salto válido da noite), nova marca líder mundial e um grande recorde pessoal em pista coberta para a atleta que foi Prata nos Mundiais de Doha (ficou a um centímetro do melhor ao ar livre). Já Mihambo – que também participou nos 60 metros – não venceu, mas teve, ainda assim, um bom começo de temporada, começando já a saltar a 6.82 metros, sendo a 2ª no concurso.

Já nos homens, onde o destaque era a Vara, não se viram performances do mesmo nível. O duelo entre o campeão mundial indoor – o francês Renaud Lavillenie – e o campeão mundial ao ar livre – o norte-americano Sam Kendricks – nem sequer chegou a aquecer, uma vez que Kendricks ficou-se pelos 5.50 metros. Renaud Lavillenie esteve em melhor forma e até venceu o concurso a 5.70 metros (com a mesma marca do seu irmão, Valentin), mas essa não é uma marca também particularmente impressionante para o francês que até já saltou mais (5.80) neste início de temporada.

Amusan impressiona

Nas restantes provas, foi particularmente impressionante a prestação da nigeriana Tobi Amusan nos 60 metros barreiras. A nigeriana já havia sido a mais rápida das eliminatórias (7.95), mas partiu bastante mal na final, vendo a norte-americana Christina Clemons – Prata nos últimos Mundiais de pista coberta – disparar como uma flecha, mas já aos 30 metros se percebia que Amusan não iria precisar de uma melhor partida para vencer nesta noite! Clemons igualou o melhor da temporada com 7.98, mas longe da nigeriana, que correu em 7.84 segundos, um novo recorde pessoal, a 2ª melhor marca no mundo este ano (apenas atrás da campeã mundial, Kendra Harrison) e um tempo melhor que qualquer feito em 2019.

Por último referir a meia distância, onde o marroquino Mostafa Smaili venceu uns 800 metros que tinham como atrativo principal um duelo espanhol entre Álvaro de Arriba – atual campeão europeu indoor – e Saul Ordóñez – bronze nos Mundiais de Birmingham -, sendo que de Arriba foi 2º e Ordóñez – mais uma vez, longe do seu melhor – foi apenas 6º, a mais de três segundos do vencedor. Já na prova feminina de 1.500 metros, a queniana Beatrice Chepkoech – recordista e campeã mundial dos 3.000 obstáculos – começou bastante rápida, mas cedeu perto da meta (caiu para 4ª), mostrando estar, ainda longe, daquele recorde pessoal e nacional (4:02.21) alcançado em Glasgow há dois anos. A vencedora foi a etíope Axumawit Embaye, em 4:07.94. A acção da Indoor Tour segue agora para Dusseldorf, também na Alemanha, já na próxima terça-feira.

Todos os vencedores
Masculino:
800 metros: Mostafa Smaili (MOR), 1:46.38
3.000 metros: Bethwel Birgen (KEN), 7:38.50
Salto com Vara: Renaud Lavillenie (FRA): 5.70m
Salto em Comprimento: Eusebio Cáceres (ESP): 7.99m

Feminino:
60 metros: Shania Collins (USA), 7.20
400 metros: Ayomide Folorunso (ITA), 52.56
1.500 metros: Axumawit Embaye (ETH), 4:07.94
3.000 metros: Fantu Worku (ETH), 8:37.58
60 metros barreiras: Tobi Amusan (NIG), 7.84
Salto em Altura: Yaroslava Mahuchikh (UKR), 2.02m WJR
Salto em Comprimento: Maryna Bekh-Romanchuk (UKR), 6.92m

 

Foto: World Athletics / Spikes