Duplantis no topo do mundo num sábado de luxo

Duplantis faz história em Torun e Meeting de Nova Iorque também com destaques

 Por Pedro Pinto, especial para o MelhorMarca.pt

Em Karlsruhe ameaçou, em Torun cumpriu o que muitos vaticinavam ser uma questão de tempo: Armand Duplantis saltou 6.17 metros, à 2ª tentativa, e é o novo recordista mundial do Salto com Vara! O salto foi conseguido em pista coberta, mas é um recorde absoluto, pois nunca alguém saltou tanto ao ar livre.

O sueco Duplantis bate, assim, o anterior recorde mundial alcançado pelo francês Renaud Lavillenie há seis anos em Donetsk (curiosamente, também em pista coberta), que era de 6.16 metros. E que estranho que é ver o mítico Sergey Bubka relegado para 3º a saltar mais alto na história!

https://twitter.com/uygarkaraca/status/1226230043959013383

Para se quebrar um recorde mundial já é sabido que é necessário que todas as circunstâncias sejam perfeitas e que tudo contribua para tal. Assim foi neste sábado na Polónia. Sem Kendricks (que no mesmo dia bateu o recorde norte-americano em pista coberta, ao saltar 6.01 metros em Rouen), sem Lavillenie e sem Lisek, Duplantis era o claro favorito. Mais ainda quando dois dos principais rivais que constavam das listas – Shawn Barber e Emmanouil Karalis – não apareceram por Torun. O concurso começou sem Duplantis e ninguém passou a 5.70 metros, ficando os 5.52 metros como a melhor marca dos restantes em prova. A vitória era uma formalidade. No seu primeiro salto no concurso fez os 5.52 e no 2º – a 5.72 – garantiu a vitória. Depois subiu a fasquia para 5.92 metros – que passou à primeira – e para 6.01 metros, passando também à primeira e batendo o seu recorde pessoal em pista coberta. Com esse objetivo cumprido, era hora de subir a fasquia e voltar a tentar o recorde mundial a 6.17 metros. Derrubou à 1ª, mas passou de forma perfeita à 2ª tentativa (no que foi apenas o seu 6º salto da noite), deixando bem evidente que não deve ficar por aqui. Este pode ser o seu ano, mas convém relembrar que o atletismo, por vezes, é ingrato.

Duplantis conseguiu bater o recorde mundial aos 20 anos, provando ser o prodígio que todos já suspeitávamos há muito tempo. Agora, o seu maior objetivo deverá passar por se apresentar na melhor forma em Tóquio. Há Jogos Olímpicos em agosto e – ontem mais uma vez se provou – os recordes vêm e vão, mas as medalhas e os títulos ficam para sempre. Para já, Duplantis está no topo do mundo e será difícil que de lá o tirem.

Święty, Tsegay e Bekh-Romanchukh em grande forma, Evelise Veiga sétima

Com o feito de Duplantis, tornou-se impossível que alguém pudesse ofuscar o brilho do sueco, mas o meeting de Torun apresentou boas marcas, especialmente no feminino. A polaca Justyna Święty-Ersetic correu os 400 metros em 51.37 segundos, batendo o recorde nacional, diante do seu público, que explodiu em festa. A etíope Gudaf Tsegay também esteve em grande destaque, correndo os 1.500 metros em 4:00.09, uma marca que a coloca como a 7ª mais rápida da história a percorrer essa distância em pista coberta.

Já o concurso de salto em comprimento – que contou com a presença de Evelise Veiga, que foi 7ª, com um melhor salto a 6.24 metros – foi vencido pela ucraniana Maryna Bekh-Romanchuk, com um recorde pessoal absoluto de 6.96 metros, mostrando, mais uma vez estar num excelente momento de forma. As três atletas alcançaram as melhores marcas mundiais desta temporada nas respetivas disciplinas.

Todos os vencedores do Meeting de Torun

Masculino

60 metros: Ján Volko (SVK), 6.57

400 metros: Youssef Karam (KUW), 46.26

800 metros: Collins Kipruto (KEN), 1:45.86 MR

1.500 metros: Ignacio Fontes (ESP), 3:38.57

60 metros barreiras: Andrew Pozzi (GBR), 7.53

Salto com Vara: Armand Duplantis (SWE), 6.17m WR

Lançamento do Peso: Tomás Stanek (CZE), 21.86m

Feminino

60 metros: Shania Collins (USA), 7.24

400 metros: Justyna Święty-Ersetic (POL), 51.37 WL

1.500 metros: Gudaf Tsegay (ETH), 4:00.09 WL

60 metros barreiras: Alina Talay (BLR), 7.87

Salto em Comprimento: Maryna Bekh-Romanchuk (UKR), 6.96m WL

 

Em Nova Iorque, mais recordes e marcas líderes mundiais

 

Purrier com a 2ª melhor marca da história

Poucas horas depois, em Nova Iorque, grandes estrelas – principalmente norte-americanas – marcaram presença nos históricos Millrose Games. A prova dos 60 metros femininos contava com nomes como Allyson Felix, Briana Williams, Tehana Daniels ou Tatjana Pinto, mas a vitória foi para quem poucos estavam a olhar. Mas deviam…é que a norte-americana Javianne Oliver é uma autêntica especialista em pista coberta e ontem foi fulminante nos 30 metros finais, conquistando a vitória em 7.13 segundos. Já a prova masculina, contou com o regresso de Ronnie Baker, que aproveitou logo para bater o líder mundial Demek Kemp, fechando em 6.54. Nas barreiras, o destaque era para a prova feminina, que contava com as duas primeiras classificados dos 100 barreiras de Doha e que são também as duas atuais campeãs mundiais. Kendra Harrison – que é a campeã da distância em pista coberta – bateu Nia Ali – a campeã dos 100 barreiras -, terminando em 7.90 segundos face aos 7.96 de Ali.

No entanto, os Millrose Games ficaram, este ano, marcados pela queda de três recordes norte-americanos e nenhum deles foi na velocidade. O primeiro foi Donavan Brazier que, com uma demolidora volta final, correu os 800 metros em 1:44.22 (marca líder mundial do ano), sendo agora o recordista nacional da distância ao ar livre e em pista coberta. A marca coloca também Brazier como o 5º mais rápido de sempre em pista coberta.

https://twitter.com/NBCOlympics/status/1226259416951001088

Mais tarde, foi a vez da também norte-americana, Elinor Purrier surpreender na milha e bater Konstanze Klosterhalfen (grande recorde alemão, em 4:17.26), fechando em 4:16.85, novo recorde norte-americano e 2ª melhor marca da história na distância em pista coberta. Poucos minutos depois, a favorita dos 800 metros, Ajee Wilson, entrou em prova para correr a distância em 1:58.29, também ele um novo recorde norte-americano. Nos outros eventos, destaque para os 4.91 metros de Sandi Morris na Vara, que é a melhor marca no mundo em 2020 e para os grandes 22.19 metros com que Ryan Crouser começou a sua temporada no Peso, que também significam o melhor no mundo nesta temporada.

Todos os vencedores dos Millrose Games, em Nova Iorque

Masculino

60 metros: Ronnie Baker (USA), 6.54

300 metros: Rai Benjamin (USA), 32.35

800 metros: Donavan Brazier (USA), 1:44.22 WL

1 milha: Chris O’Hare (GBR), 3:55.61 WL

3.000 metros: Justyn Knight (CAN), 7:46.36

60 metros barreiras: Daniel Roberts (USA), 7.64

Lançamento do Peso: Ryan Crouser (USA), 22.19m

Feminino

60 metros: Javianne Oliver (USA), 7.13

400 metros: Wadeline Jonathas (USA), 51.93

800 metros: Ajee Wilson (USA), 1:58.29

1 milha: Elinor Purrier (USA), 4:16.85 WL

3.000 metros: Allie Ostrander (USA), 8:48.94

60 metros barreiras: Kendra Harrison (USA), 7.90

Salto com Vara: Sandi Morris (USA), 4.91 WL

 

Fotos: Armand Duplantis in Twitter e Milrose Games