A elite arrancou a temporada de pista coberta

Donavan Brazier (foto World Athletics)
Por Pedro Pires, especial para o MelhorMarca.pt

Começou na passada madrugada a World Athletics Indoor Tour, o mais importante circuito de elite em pista coberta. Vista como uma espécie de Diamond League para o ambiente Indoor, esta série de meetings engloba sete paragens, sendo que a primeira foi em Boston, nos EUA.

Os vencedores somam pontos e no final dos sete meetings, os que mais pontos tiverem somado no seu evento, recebem algum encaixe financeiro e, mais importante, um wild card para os Mundiais de Pista Coberta, que este ano se realizam em Nanjing, na China, entre os dias 13 e 15 de Março.

Sydney obrigou a mudar os planos

Apesar de muitas das grandes estrelas mundiais já terem confirmado que irão abdicar da temporada indoor este ano – os Mundiais de Doha acabaram tarde e este é um ano de Jogos Olímpicos na primeira semana de Agosto -, os nomes confirmados para Boston, no New Balance Indoor Grand Prix, prometiam uma competição de elevado nível. Entre os maiores motivos de interesse estavam as presenças de nomes grandes da modalidade, como os norte-americanos Donavan Brazier (atual campeão mundial dos 800m ao ar livre), Nia Ali (atual campeã mundial dos 100m barreiras e campeã mundial dos 60m barreiras em pista coberta em 2014 e 2016) ou Sydney McLaughlin (a maior promessa norte-americana que, com 20 anos, já é a 2ª mais rápida de sempre nos 400m barreiras ao ar livre, prata nessa distância nos Mundiais de Doha), que era quem mais “vendia” o evento. Outra estrela norte-americana, Emma Coburn, também marcava presença, mas fora do seu habitat natural, nos 2.000 metros.

Sydney McLaughlin não apareceu, o que fez, desde logo, mudar os planos da organização. A jovem decidiu não participar no evento, depois de ter conversado com a sua técnica e ambas terem chegado à conclusão de que a sua preparação não estava no ponto certo para arriscar já o seu início de temporada. A prova de 500 metros femininos – que era suposto fechar a noite – foi, assim, antecipada para uma hora antes, agora que a jovem estrela norte-americana já por lá não marcaria presença (como nota de registo, a vitória foi para a belga Lisanne de Witte). Donavan Brazier, a participar nos 600 metros, passou a ser a estrela maior a quem, agora, caberia a honra de encerrar o dia e o jovem norte-americano não desiludiu. Rapidamente se distanciou de toda a sua concorrência e fez uma volta final em contrarrelógio, terminando em 1:14.39, a 2ª marca mais rápida da distância (a primeira já lhe pertencia).

Numa outra das provas mais antecipadas da noite, Nia Ali também não desiludiu os presentes, vencendo uma muito bem composta prova de 60 metros com barreiras, correndo em 7.94 segundos. Uma boa marca de Ali, mas longe do que a campeã mundial indoor, a também norte-americana, Kendra Harrison, havia feito uma hora antes, em New Mexico. No Dr. Martin Luther King Invitational, Harrison correu a distância em 7.81 segundos, marca líder mundial do ano, dando já um sério aviso à concorrência. Ali tem, no entanto, a seu favor o facto de ter feito duas provas na mesma noite, pois esta disciplina foi a única que teve direito a eliminatórias e final. Nas eliminatórias, assistimos ao também ao aguardado regresso da campeã mundial indoor em 2008 e 2010, a norte-americana Lolo Jones, que, aos 37 anos, parece ter já pouco nas pernas para competir entre a elite. Terminou a sua série em 8.32 segundos, sendo a mais lenta das presentes.

Na velocidade masculina, um grande recorde pessoal e uma grande marca

Muito aguardada era também a prova dos 60 metros masculinos. Nela marcavam presença os regressados Trayvon Bromell – uma grande promessa norte-americana, que foi campeão mundial indoor em 2016, mas que desde então tem batalhado contra as lesões – e o jamaicano Asafa Powell, que, aos 37 anos, ainda tenta uma última presença em Jogos Olímpicos. No entanto, a estrela foi outra! O norte-americano Demek Kemp, de 23 anos, surpreendeu todos, com um arranque explosivo, terminando em 6.50 segundos, marca líder do ano e um excelente recorde pessoal para o atleta que tinha como melhor, antes desta prova, 6.55 segundos. Kemp parece estar assim numa ótima forma, ao contrário de Bromell, que no regresso à competição foi último entre os presentes, com um muito modesto tempo de 6.84 segundos (o seu melhor pessoal é 6.47). Também Asafa Powell pareceu longe dos melhores tempos, ao terminar na 5ª posição, em 6.71 segundos.
Surpreendente vencedora na meia-distância

A grande surpresa, no entanto, deu-se na prova de 1.500 metros femininos. Konstanze Klosterhalfen (GER) entrava para essa prova como a grande favorita, esperando que fizesse uso do seu estatuto em pista coberta (Prata nos 1.500 dos Europeus de 2017 e Prata nos 3.000 dos Europeus de 2019) e do seu recorde pessoal de 4:02.70. Também ao ar livre, brilhou no ano passado, com a medalha de Bronze nos 3.000 dos Mundiais de Doha. Nada disso valeu à alemã, que dominou grande parte da prova, mas que se viu surpreendentemente ultrapassada já nos últimos 20 metros pela australiana Jessica Hull que, em 4:04.41, bateu o recorde nacional australiano em pista coberta. Um interesse duelo entre duas atletas que faziam parte do extinto Projeto da Nike de Oregon, que era liderado por Alberto Salazar.

No masculino, a prova de 1.000 metros foi em tudo idêntica a essa, com o britânico Jake Wightman a dominar grande parte da prova, mas ao ver-se ultrapassado na meta pelo norte-americano Bryce Hoppel. Resta a Wightman a consolação de também ele ter fixado um novo recorde britânico em pista coberta, tendo terminado em 2:17.51.

Todos os vencedores:
Masculino
60 metros: Demek Kemp (USA), 6.50 (PB)
400 metros: Ogi Igbokwe(USA), 46.50
600 metros: Donavan Brazier (USA), 1:14.39
1.000 metros: Bryce Hoppel (USA), 2:17.41
1 Milha: Chris O’Hare (GBR), 3:59.62
3.000 metros: Bethwel Birgen (KEN), 7:44.21
Triplo Salto: Pablo Torrijos (ESP), 16.75m
Feminino
300 metros: Gabby Thomas (USA), 36.52
500 metros: Lisanne de Witte (HOL), 1:10.50
1.500 metros: Jessica Hull (AUS), 4:04.14
2 Milhas: Elle Purrier (USA), 9:29.17
60 metros barreiras: Nia Ali, 7.94
Salto em Altura: Amina Smith (USA), 1.89m

 

Foto: World Athletics